sexta-feira, 1 de maio de 2015

E quem é que não gosta de ser lembrado?

Logo que o relógio marcou meia noite, anunciando a chegada da sexta-feira, Dia do Trabalho, fiquei em silêncio e comecei a conversar com Deus para agradecer a oportunidade de poder comemorar mais um aniversário. 

Como já estou acostumado a trabalhar em feriado devido à profissão, e para fazer jus à data do meu nascimento, estava no palco com o Toca do Pagode – trabalhando numa das atividades que mais gosto e ainda sendo remunerado. 

Embora o som estivesse alto, somado à interatividade do público, deu para me concentrar, refletir e orar rapidamente.

Passada a noite, assim como fiz em anos anteriores, permaneci durante boa parte do dia 1º de Maio diante do notebook para interagir com o pessoal que deixara mensagens de parabéns. Foi desta forma que me comportei durante o feriadão.

Decidi ficar "sem piscar os olhos" em frente à tela do equipamento apenas para retribuir, um a um, quem dedicou alguns segundos ou minutos do dia para me cumprimentar.

De frases longas e curtas, palavreados simples e sofisticados, as manifestações de carinho foram muitas. Não esperava pela quantidade.  

Desde já, desejo tudo em dobro para as pessoas que se lembraram do Marcelo. Pois, somente quem passa a ficar mais velhinho - recebendo esse presentão de Deus - sabe o que significam as homenagens.

Obrigado!



Nenhum comentário:

Postar um comentário