quinta-feira, 5 de novembro de 2020

Respeito é tudo

A bola rolou e, na última rodada do Campeonato Brasileiro, os quatro clubes paulistas conquistaram resultados expressivos que deixaram os seus torcedores pra lá de satisfeitos. Alguns até eufóricos demasiadamente.

Santos, São Paulo, Corinthians e Palmeiras balançaram as redes e somaram três pontos na tabela de classificação.

Começo citando a vitória do Peixe na Vila Belmiro. Coordenado pelo técnico Cuca, o alvinegro praiano passou pelo Bahia aplicando o placar de 3 a 1. No Rio de Janeiro, em visita ao Maracanã, o Tricolor goleou o valorizado Flamengo, por 4 a 1.

Na zona leste da capital paulista, em Itaquera, sob seus domínios o Corinthians surpreendeu o líder da competição. Derrotou o Internacional, após um magro 1 a 0.

Para finalizar, o Verdão atropelou o Atlético Mineiro, do inquieto argentino Jorge Sampaoli. Jogando no Allianz Parque, o Palmeiras não tomou conhecimento e fez logo 3 a 0.

Depois destes resultados, muitos torcedores e até mesmo jornalistas chegaram a citar a volta da supremacia do futebol paulista, desfazendo, mesmo que sem querer, o desempenho de clubes de outros estados.

Mas, como é sempre bom ter cautela em comemorações, nesta quarta-feira, 4 de novembro, os resultados mostraram que os clubes paulistas não são tão superiores assim.

Santos e Corinthians, pela Copa do Brasil, e São Paulo, pela Sulamericana, foram eliminados dessas competições.

Com uma derrota no Castelão, em Fortaleza, para o Ceará, por 1 a 0, o Peixe deu adeus à Copa do Brasil, já que na primeira partida na Vila, não soube aproveitar o mando de campo, ocasião em que empatou por 0 a 0.

Em Belo Horizonte, o América empatou com o Corinthians, por 1 a 1, e se classificou para a próxima fase. Reflexo do resultado obtido em São Paulo, semana passada, quando o Coelho venceu por 1 a 0.

No Morumbi, o tricolor até venceu o Lanús, da Argentina, por 4 a 3, mas, em razão do resultado negativo no jogo de ida, acabou, mais uma vez, eliminado em uma competição no formato de mata-mata.  

O único que deve se sair bem é o Palmeiras, que joga hoje à noite, em casa, contra o Bragantino. Pode conseguir a classificação porque venceu o jogo em Bragança, na última semana, por 3 a 1.

Em poucos dias, o que era doce ficou amargo. É por isso que não devemos menosprezar ninguém em circunstância nenhuma. O futebol paulista é forte? Sim, é fortíssimo! Porém, não é sempre que será o vencedor. É preciso reconhecer e respeitar outros clubes. Isso vale para a vida!

terça-feira, 3 de novembro de 2020

A vida é uma roda gigante

Eu tinha uns 13, 14 anos, não me recordo muito bem, a última vez em que visitei um parque de diversão. Isso aconteceu lá na década de 1990, em São João da Boa Vista (SP). Naquela época, empresas de entretenimento traziam à cidade brinquedos que atraiam crianças, adolescentes, jovens e até mesmo adultos. 

Os parques, que ficavam lotados, eram instalados costumeiramente em uma área da rua Henrique Cabral de Vasconcellos, principal via pública do bairro DER. Hoje, o terreno dá lugar a um gigante galpão, construído para uma rede de supermercados.

Era divertidíssimo escorregar no famoso tobogã, pilotar os concorridos carrinhos bate-bate e girar muito no chapéu mexicano, provocando até sensação de tontura. Eu, meus irmãos e colegas de infância não víamos a hora de aproveitarmos aqueles bons momentos de lazer. 

A gente pagava a entrada e ficava por um determinado período desfrutando de todas as atrações. Contudo, devido à quantidade de gente, somente nos brinquedos mais “chatos” era possível ficar repetindo, já que os mais interessantes, claro, geravam enormes filas.      

A roda gigante, com cadeiras que balançavam muito, reunia um público razoável. Era um atrativo que permitia refletir sobre a vida, enquanto ela dava as suas voltas.

Sua estrutura de alternância fazia a gente começar por baixo e ir subindo, subindo até chegar ao topo. Em muitas vezes, quando parava lá no alto, mesmo que por alguns segundos, para que outras pessoas tomassem seus assentos, dava aquela sensação de superioridade.

Você subia e descia, mas sabia que em certo momento teria que deixá-la para dar lugar a outro ocupante.  Mas por quê?  Porque tinha gente na fila querendo utilizar o brinquedo.

Se quisesse aproveitar mais, o jeito era retornar à fila. Fazendo uma simples analogia com a vida, aqueles momentos na roda gigante me fizeram entender que tudo é efêmero. Ou seja, se hoje sou isso ou aquilo, amanhã já não mais.

É preciso saber conviver com a rotatividade e entender sobre os ciclos da vida. Se a pessoa enfrenta alguma dificuldade hoje, não significa que a situação será para sempre. Tudo passa, tudo passará. 

Trazendo para os dias atuais, reforço que tenho aprendido muito sobre como lidar com certas questões complicadas de serem resolvidas. A leitura da Bíblia Sagrada e a minha presença em cultos têm me dado entendimento sobre conduta diária. 

Não basta apenas frequentar determinada igreja, mas não praticar o que as escrituras recomendam.

A vida é feita de altos e baixos. Confesso que não é tão simples suportar afrontas, julgamentos, acusações, desdém, enfim, palavras pesadas que chegam a ferir.

Em outros tempos poderia até rebater, guardar ódio, mágoa, raiva, rancor, desejar vingança. Não vale a pena. O melhor a se fazer é seguir às recomendações de Jesus Cristo, obedecer aos mandamentos de Deus e crer de todo o coração. A vitória é certa quando há confiança no Senhor.  

A mensagem de Jesus no livro de João, capítulo 16, versículo 33, destaca: Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.

 

São João vence equipes de São Carlos em rodada dupla da APV


A equipe feminina de vôlei Unifeob/Prefeitura de São João da Boa Vista venceu duas partidas válidas pela Associação Pró-Voleibol (APV), em rodada dupla realizada, no domingo, 1º de novembro, no ginásio Santa Felícia, em São Carlos.

No período da manhã, o time coordenado pelo professor Maurício Ribeiro derrotou a AGEE/São Carlos por 3 sets a 1, com as parciais de 25/20, 25/14, 26/24 e 25/11.

À tarde, no mesmo ginásio, a equipe de São João voltou a vencer, desta vez, a AVS/São Carlos também pelo placar de 3 sets a 1, com as parciais de 25/22, 25/27, 25/22 e 25/14.

Após essas duas vitórias, fora de casa, São João volta a jogar em seus domínios no dia 8 de novembro às 10h. O duelo está marcado para o ginásio do Centro de Integração Comunitária (CIC), ocasião, em que enfrentará a AGEE/São Carlos.

A competição organizada pela APV, de Porto Ferreira, reúne quatro equipes: São João/Unifeob, AGEE/São Carlos, AVS/São Carlos e Araraquara/FUNDESPORT.