quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Consciência Negra: realidade que merece ser refletida


Tenho uma imagem que jamais sairá de minha memória. O ano era 1993, época em que exercia a função de auxiliar de serviços gerais numa empresa de São João da Boa Vista (SP). Não me lembro do dia, mas da frase e do gesto emitidos por um senhorzinho arrogante e carrancudo, sem dúvida. O cliente havia procurado o estabelecimento para o conserto de uma máquina de cortar grama.

Na ocasião, Fui indicado por um colega de trabalho para atender o carrancudo. Foi quando presenciei o senhorzinho passar a mão direita sobre o braço esquerdo, raspar por algumas vezes e “disparar”: “se for ele, não quero”, dando ênfase à cor da pele. E não quis mesmo. Fiquei revoltado (por dentro) com a situação, mas deixei quieto. Se fosse hoje, meu comportamento seria diferente.

É triste ver algumas pessoas afirmando que o racismo não existe e que o Dia da Consciência Negra não vale de nada. Será que sabem do que estão falando? Já tiveram experiências do tipo?  Com certeza, não.


Para os que nunca foram preteridos por causa da cor da pele é simples dizer que o dia 20 de novembro é uma data comum. Agora, se vivessem a realidade do dia-a-dia, enfrentassem obstáculos desde a infância, percebessem os olhares discriminatórios, que falam mais que palavras, certamente estariam de acordo com a reflexão proposta nesta data.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário