domingo, 27 de dezembro de 2009

Repórteres não desistem

Na tarde de quinta-feira (23), estive em Mogi Mirim com a equipe da TV União, para cobrir o jogo “Futebol Solidário, Amigos do Rivaldo x Amigos do Carlos Alberto”, no Estádio Papa João Paulo 2º. A partida beneficente reuniu mais de 18 mil pessoas no estádio do “Sapão”. Faltavam poucos minutos para a bola rolar num dos considerados melhores gramados paulistas, e grande parte da multidão ainda permanecia do lado de fora. Os ingressos foram trocados por alimentos não perecíveis que foram doados para algumas entidades do município. Além de Rivaldo e Carlos Alberto, os torcedores puderam ver de perto craques como Roberto Carlos (Corinthians), Cafu (sem clube), Elano (Galatasaray), Renato (Sevilla), Wellington Paulista (Cruzeiro) e os aposentados César Sampaio e Vampeta. Uma grande festa que contou ainda com a presença de Kaká, do Real Madrid. No entanto, para a decepção, principalmente das fãs, o jogador apenas deu o pontapé inicial da partida porque está machucado. A primeira etapa do jogo foi apitada pela árbitra “artista” Ana Paula, que por sinal, esteve na edição recente de “A Fazenda” da TV Record. E olha que a moça se deu bem com o público de Mogi. Fez fotos, distribuiu camisetas, autógrafos e muita simpatia.
O jogo, com belos gols, teve a vitória dos Amigos do Rivaldo por 4 a 2.
Terminado o confronto, um batalhão de jornalistas (incluindo eu e o cinegrafista Davis Carvalho) entrou no gramado para conversar com os craques e saber quais são as novidades para a temporada de 2010. Porém, para nós da TV União, as entrevistas tiveram um sabor especial. Por quê? Calma, que explico. Uma semana antes, nós fizemos o cadastro de forma correta e conseguimos autorização para a cobertura do jogo juntamente com os demais órgãos de imprensa. Só que no dia da partida, quando já estávamos no estádio, a assessoria do Mogi Mirim Esporte Clube disse que somente os veículos de comunicação (Record, Band, Globo e Rede TV) poderiam adentrar ao gramado para entrevistar os jogadores. Naquela ocasião, ficamos indignados com a situação. Se soubéssemos deste detalhe, nem teríamos saído de São João. Mas, como já estávamos lá, tentamos de todo jeito convencer os seguranças para que pudessem nos liberar. Tudo em vão. Esperamos um tempão do lado de fora (com muita raiva). Como jornalista não pode desistir jamais da tarefa de buscar a informação, nós nos dirigimos até um dos portões do estádio e lá estavam um dos seguranças e dois policiais. Talvez pudesse ser a última tentativa. De caso pensado, nós chegamos até eles e dissemos: “ a assessoria do clube nos liberou para que possamos conversar com os jogadores”. Sem questionar absolutamente nada, o segurança abriu os portões e, enfim conseguimos entrar no gramado. A maioria dos atletas já estava nos vestiários. Mas próximo dali, encontramos Carlos Alberto, do Vasco, por sinal, um sujeito metido que parece só dar atenção para as grandes emissoras. Mesmo assim, conversou conosco. Em seguida falamos com Marcelinho Carioca. O “pé-de-anjo” que ainda tem muito prestígio com a torcida anunciou aposentadoria aos 39 anos de idade. Somente irá vestir a camisa do Corinthians em jogos amistosos. Será o “embaixador” do Centenário do Timão. Outro atleta que ainda não havia descido aos vestiários era David, zagueiro do Flamengo, autor de um dos gols que deram o título brasileiro ao rubro-negro contra o Grêmio no Maracanã. O jovem jogador disse que juntamente com Ronaldo Angelim (dono do gol que deu a vitória ao Mengão) entrou para a história do clube carioca. E mais, destacou que o time do técnico Andrade vem forte para vencer a Taça Libertadores. Essas entrevistas já renderiam um bom material. Para quem nem iria entrar no gramado, ter conversado com três grandes ídolos de seus clubes, já era uma vitória para nós. Contudo, a gente queria mais. Então, eu e o Davis seguimos e nos misturamos junto com dois repórteres de uma grande emissora e conseguimos descer junto com eles até a porta dos vestiários (lugar restrito). Não havia nenhuma emissora considerada pequena fazendo entrevistas naquele local. A TV União, por persistência dos profissionais conseguiu o feito. Ali entrevistamos o pentacampeão Denílson, o veterano Amaral, Cafu (jogador que disputou três Copas do Mundo consecutivas) e outros craques. Consideramos uma tremenda “conquista” termos entrevistado tantos jogadores. Isso foi graças a DEUS que nos deu força, garra e persistência, para que pudéssemos voltar para São João da Boa Vista com um rico material produzido em Mogi Mirim. Isso também nos mostrou que por mais que você receba um “não” seja por diversas vezes, nunca se pode desistir. Eu e o Davis (repórter e cinegrafista) tivemos um exemplo de que o não nem sempre é não. Basta acreditar sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário