sábado, 3 de agosto de 2013

“O futebol brasileiro está nas mãos de empresários”, revela o ídolo do Flamengo, Andrade, durante jogo beneficente em São João da Boa Vista (SP)


As portas dos vestiários se abrem. Lá vêm eles rumo ao gramado. Passa das 15h30. É sábado, 3 de agosto. Em meio aos jogadores como Rondinelli, Nélio, Adílio, Piá, Beto e Renato Carioca, identifico Andrade, um dos maiores ídolos do Flamengo, caminhando em passos lentos, apoiados a uma bengala. O ex-volante, agora técnico, esteve em São João da Boa Vista, na Sociedade Esportiva Sanjoanense, junto com o máster do Mengão, para o jogo beneficente, contra o Mikail Kabelo.

Humildemente, Andrade atendeu os admiradores antes, no intervalo e após o jogo. Campeão mundial em 1981, com o Mengão, o ídolo flamenguista distribuiu autógrafos, posou para fotos e deu atenção aos que chegavam perto. “É gratificante [para o] profissional que já parou há tanto tempo. Acho que qualquer profissional, se sente feliz. Se você esperar alguma coisa de diretor, não terá esse reconhecimento”, alfineta.

A dificuldade em caminhar deve-se a uma séria infecção no joelho, que de tão grave, deixou o mineiro de Juiz de Fora por quase um mês na cama de um hospital no Rio de Janeiro. Além desse obstáculo, Andrade se sente chateado com a escassez de chances para comandar um grande clube, mesmo tendo sido o último técnico campeão brasileiro com o Flamengo em 2009.

Apesar de estar marcado na história do rubro-negro, Andrade não teve o valor reconhecido. Se a carreira de jogador foi brilhante, a de treinador não decolou. “A princípio foram problemas políticos [no Flamengo]. O futebol brasileiro está nas mãos de empresários. Realmente, fiquei sem mercado porque não tinha assessor de imprensa e não tenho empresário. Depois disso, tive problemas de saúde e estou retornando agora, aberto a convite de algum clube para voltar a trabalhar. Já to quase um ano fora do mercado”, diz confiante.
                 Andrade e Adílio, ao lado de Zico, fizeram parte de um dos maiores times do Flamengo

O ex-jogador é de uma época em que o futebol vivia momentos muito diferentes. Revoltado, Andrade desabafa sobre os verdadeiros empecilhos que impedem muitos profissionais de estarem desenvolvendo suas atividades.“Futebol é um meio que envolve muito dinheiro, muitas ambições, pessoas que querem tirar proveito da situação. Mas, como te disse, estou pronto para trabalhar, sou o último técnico campeão com o Flamengo. Acho que não fico devendo para nenhum desses treinadores que tem no Brasil”, reforça.



Um comentário: