domingo, 16 de dezembro de 2012

Rivalidade sadia, sempre!


Como legítimo torcedor do Santos, deixo explícito que torci CONTRA o time de Parque São Jorge. Tenho certeza absoluta que a maioria dos palmeirenses e são-paulinos também tem a mesma opinião. Como não sou hipócrita, não dou os parabéns, coisa nenhuma. Queria mesmo é que o Chelsea fosse o campeão. Mas, como não foi possível, o jeito é tentar suportar as ligações, mensagens nas redes sociais, celular, enfim, todo tipo de manifestação do PRIMEIRO título Mundial conquistado pelo time do técnico Tite. O mundial de 2000, disputado no Brasil é questionável, apesar de ter sido realizado pela FIFA. Em razão disso, não o vejo como Bi, mas apenas como campeão.

A bola insistiu em não entrar no gol alvinegro devido à excelente atuação de Cássio, que, utilizando-se de um trecho do hino do clube, “salvou” a equipe de levar vários gols que, inclusive, poderiam ter dado o título ao Chelsea. Eleito o melhor jogador em campo, o grandalhão recebeu o prêmio deixando claro que o time inglês sufocou o time brasileiro tanto no primeiro quanto no segundo tempo. Mas, como sufoco não vence campeonato, e sim, a bola na rede, o “maloqueiro” Paolo Guerreiro mostrou oportunismo e testou firme para decretar a alegria da Fiel.

Logo nos primeiros instantes da partida, quando o Cássio defendeu aquela bola à queima roupa em cima da linha, imaginei: essa é a defesa do título. E foi. Outras defesas importantes foram feitas, mas a primeira já mostrava um pouco de sorte do goleiro. Por sinal, o gaúcho de quase dois metros deverá ser convocado pelo técnico da seleção brasileira, Luis Felipe Scolari.

Agora, deixando a rivalidade de lado, acho muito legal quando uma pessoa dá a volta por cima e ocupa um lugar almejado depois de muito esforço. O goleiro Cássio é um exemplo de vitorioso. Pude assistir algumas entrevistas que Cássio concedeu a vários programas esportivos, e deu para perceber que o defensor viveu uma infância muito difícil. Numa casa pequena e sem condições, o goleiro foi criado apenas pela mãe, já que o pai, ele nunca o conheceu. Enfrentou dificuldades no futebol, mas não se abateu, mesmo depois de ter sido preterido por outros atletas nos clubes em que passou.

Porém, quando chegou à capital paulista para defender o Timão, soube AGARRAR a oportunidade que teve, quando Tite sacou o seu colega de profissão, Júlio César. No começo, um pouco de desconfiança por parte dos torcedores, e até mesmo da imprensa. Mas após o ceticismo de muitos, virou realidade, se firmou no gol e conquistou os dois títulos mais importantes do clube: Libertadores e Mundial.

APESAR de jogar no rival de Santos, Palmeiras e São Paulo, Cássio tem tudo para ser considerado um jogador querido pelas outras torcidas por alguns motivos: tranqüilo, decisivo, e não antipático.

Se continuar trabalhando desta forma e pegando tudo nos momentos decisivos, não tenha dúvida que será o goleiro titular do Brasil, na Copa de 2014.
Deixo os meus parabéns apenas para o goleiro que impediu o Chelsea de levar o título para a Inglaterra.

Em se tratando de rivalidade sadia, qual palavra faltou no texto? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário